Saúde Holística e Alternativa voltado ao desenvolvimento Humano

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016


imagem: Google


A Natureza nos dá sinais a todo momento e essa forma de comunicação, bem diferente de um diálogo convencional, nos faz abrir uma série de hipóteses para uma resposta do que realmente está sendo dito.

Um ponto muito importante para analisar esse tipo de interação é ter receptividade às sensações do momento e ter conhecimento básico sobre as características do que está acontecendo.

Hoje vou escrever um pouquinho sobre as borboletas, que há muito tempo suas visitas, formas de voo e interação trazem, mesmo pequena, uma sensação de que alguma informação chegou ali, junto com elas. E para analisarmos seus significados de forma alguma devemos ter uma lista dizendo que se trata disso ou daquilo e ponto final, pois agindo assim estamos simplesmente neglicenciando a própria forma desse tipo de comunicação.

Quando recebemos um sinal da Natureza, tudo conta, mas é preciso ter feeling.
Normalmente é algo simples com características específicas para uma análise.

No caso das borboletas é a mesma coisa e temos que verificar a forma que tudo acontece.

A borboleta é um inseto do Elemento Ar, além de voar é leve, sutil...

As formas de contato podem ser de diversas maneiras:

Ela pode nos circular e ir embora... e o círculo pode ser no sentido horário ou anti-horário.
Ela pode entrar no ambiente que estamos e ali ficar por um bom tempo.
Ela pode voar rapidamente passando na frente dos nossos olhos.
Ela pode pousar em nós e\ou ficar próxima.

Sua ou suas cores também trazem uma informação, porque a Natureza interage quando há nos fatos uma harmonia fluídica como uma dança.

Então quando acontecer algo do tipo com você, analise de forma simples percebendo todo o contexto, porque é dessa forma que você vai conseguir adentrar nessa realidade.

Binha Martins




Contatos para Cursos e orientação de 
Paganismo e Magia da Natureza:  
19 991965002 (também whatsapp)
espacocomciencia@live.com





terça-feira, 15 de novembro de 2016


Foto: Laranjeiras nascendo


O que faz uma pessoa ser pagã é exatamente a sua interação e integração com a Natureza e como o indivíduo se beneficia dessa fonte.

Independente de morar na cidade ou no campo a sua conduta em respeito à Natureza se reflete no seu dia a dia, como por exemplo direcionar alimentos naturais da forma correta para que os mesmos voltem a dar vida e alimentar mais seres ou simplesmente nos dar mais sombra e oxigênio.

Isso é algo tão simples mas percebo como são poucas as pessoas que direcionam os restos de alimentos como frutas, verduras e legumes da forma correta. Você pode iniciar já!

O mais comum é a composteira, onde todos esses alimentos são jogados se tornando um abudo para depois ser usado na horta, no jardim, em vasos ou até mesmo em alguma praça próxima a sua casa.

Um outro método também é você ter um vaso grande e colocar no fundo um pouco de terra e conforme você for consumindo alimentos naturais, as cascas, sementes e caroços devem ser jogadas no vaso e sempre após jogar esses alimentos cobri-los com um pouco de terra evitando mosquitos. E vai fazendo esse processo até o vaso se encher. Lembrando que a última camada deve ser de terra. Quando começar a nascer as plantas, você pode ficar com o vaso, presenteá-lo ou até mesmo enterrar todo o conteúdo numa praça (os pássaros agradecem... rs).
Obs.: Para quem coa café sem açúcar, o pó usado pode ser usado no lugar na terra.

Viu como é fácil?
Então comece já!

Esse processo renova a vida através do cultivo dos alimentos.

Binha Martins






Contatos para Cursos sobre 
Paganismo e Magia da Natureza:
19 991965002 (também whatsapp)
espacocomciencia@live.com

segunda-feira, 7 de novembro de 2016


Especialistas dão dicas do que observar e qual o melhor local para acompanhar o fenômeno em 14 de novembro.


Superlua ocorrerá em 14 de novembro (Foto: Juan MABROMATA / AFP)


Daqui a alguns dias, a Lua estará mais perto de nós do que o comum. Na verdade, ela não se mostra tão atrevida há algumas décadas. Na véspera do próximo dia 14, será possível observar a maior Superlua em quase 70 anos.

Mas do que se trata o fenômeno? De acordo com a astrônoma britânica Heather Couper, as superluas são resultado de uma "casualidade". "A Lua gira ao redor de uma órbita elíptica, e se a Lua Cheia coincide com o ponto do trajeto onde está mais próximo da Terra, ela pode parecer absolutamente enorme", afirma.  

Essa coincidência ocorrerá novamente no dia 14 de novembro e o fenômeno deve ser extraordinário por causa da proximidade: nesta data a Lua se encontrará a 48,2 mil quilômetros mais próxima da Terra do que quando esteve recentemente no seu apogeu - que é o ponto mais distante da órbita. O satélite não chegava tão perto assim desde 1948 e não voltará a fazê-lo até 2034.

Com exceção do eclipse da Superlua de 2015, não houve nem haverá por muito tempo uma Lua Cheia tão especial - mesmo que curiosamente tenhamos tido três Superluas consecutivas em três meses - a anterior ocorreu em 16 de outubro e a última será no dia 14 de dezembro.

É possível se preparar para aproveitar melhor o fenômeno e ainda identificar algumas "surpresas".


Quando a Lua está mais afastada da Terra, se diz que ela está no apogeu. No ponto oposto, o perigeu, ela pode chegar até 50 mil km mais próxima da Terra que no apogeu (Foto: REUTERS/Amr Abdallah Dalsh)


Qual é a melhor forma de ver uma Superlua?

A melhor maneira, claro, é para ir para um local aberto e tranquilo, longe das grandes cidades e da iluminação artificial muito forte e potente.

Como em qualquer outra Lua Cheia, o corpo celeste parece maior e mais brilhante quando aparece no horizonte. E o mesmo ocorre com as Superluas. Ainda que elas apareçam 14% maiores e 30% mais luminosas que as luas cheias comuns, são mais surpreendentes quando estão na linha do horizonte e não altas, no céu.

O especialista Geoff Chester, do Observatório Naval dos Estados Unidos (USNO, na sigla em inglês), explica que isso não é resultado de uma ilusão de ótica, mas de um efeito ótico que não é compreendido completamente nem por astrônomos, nem por psicólogos.
Mesmo assim, ele acrescenta que Superluas parecem ainda maior quando vistas através das árvores ou de casas.

Alguns especialistas sugerem outra dica no mínimo curiosa para dissipar a ilusão: uma pessoa pode ficar de costas para a Lua, curvar-se e olhar para o céu entre as pernas.


Fenômeno ocorre quando lua está mais próxima da terra (Foto: Onofre Martins/G1 AM)


Surpresas para descobrir 

Na região da Lua que ficará visível no próximo dia 14 de novembro, há uma abundância de crateras causadas por impactos de meteoritos e atividade vulcânica de bilhões de anos atrás.
Os contrastes entre as áreas que refletem a luz do Sol (as montanhas) e as planícies que permanecem na sombra (os mares) pode ser convertido, com um pouco de imaginação, nas mais surpreendentes figuras.

No momento em que a Lua aparecer maior e mais brilhante, teremos uma excelente oportunidade para descobrir figuras ocultas e "desenhos" na superfície da geografia lunar.
Uma das silhuetas mais reconhecidas é a de um coelho com grandes orelhas. A imagem é tão fascinante que a civilização maia criou até uma lenda para explicar o que era um mistério até então. A lenda envolve o deus Quetzalcóatl, que, depois de um ato de generosidade de um coelho que lhe ofereceu comida em um momento de extrema necessidade, ele decidiu levá-lo para a Lua em sinal de agradecimento. Dessa forma, a imagem do coelho seria visto por todos e por toda eternidade.
Os observadores mais atentos - Cleópatra e Abraham Lincoln entre eles - disseram ter visto um rosto humano na superfície da Lua. Certamente foi o mesmo que inspirou a famosa sequência do filme Viagem à Lua, do pioneiro cineasta George Meliés.
E tem até quem chegue a ver Elvis Presley, um par de mãos, uma árvore, mulheres, sapos, Jesus Cristo e um homem carregando lenha.
Mas não é preciso ir tão longe: para muita gente, brincar de identificar o coelho já é diversão suficiente.


Um casal é visto com a lua cheia ao fundo em Kansas, nos EUA (Foto: Charlie Riedel/AP)


Contra os mitos e as falsas crenças

Ao contrário do que muito se comenta, uma SuperLua não trará com ela o fim do mundo, nem causará um aumento na incidência de crimes.
Entre os muitos mitos que são repetidos, um dos mais comuns alega que esses fenômenos teriam algum efeito sobre os criminosos, que ficariam mais vorazes nas noites de Lua Cheia.

Mas os cientistas já descartaram a possibilidade de que o perigeu possa causar comportamentos estranhos, como a licantropia - a alucinação de que um ser humano poderia se transformar em um animal, como na lenda do lobisomem, ou ainda provocar desastres naturais de qualquer tipo.
Segundo o psicólogo Scott O. Lilienfeld, da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, "não importa quão perto ou longe ela passe, a Lua não incita crimes, como sugere a crença popular".
Autor do livro "50 Grandes Mitos da Psicologia Popular", ele alerta que estudos sobre esse tipo de conexão encontraram "uma grande quantidade de nada".
O especialista afirma que essa relação ocorre pela forma como as pessoas conectam as ideias.
"Quando há Lua Cheia e se comentem crimes, fazem esse tipo de relação. Quando não ocorre nada e ainda assim a Lua está cheia, não o fazem". 

Daqui a alguns dias, a Lua estará mais perto de nós do que o comum. Na verdade, ela não se mostra tão atrevida há algumas décadas. Na véspera do próximo dia 14, será possível observar a maior Superlua em quase 70 anos.







Agende seu Atendimento ou Aula Fale Conosco